domingo, 21 de fevereiro de 2010

Resenha: Livro Viciados em Mediocridade


O livro “Viciados em Mediocridade” é uma crítica ao pensamento dos evangélicos fundamentalistas, escrito por Frank Schaeffer, pode-se dizer que o autor criticou a literatura, o cinema, as pinturas, e toda a cultura artística cristã, como ele mesmo expõe no começo do segundo capítulo, suas principais críticas é a qualidade da arte e o intuito de se criar, na verdade seria os rótulos de evangelismo camuflado por trás de objetivos meramente econômicos e mercantis.

Sobre estes primeiros capítulos considero a opinião do autor um pouco exagerada, não sou o tipo de pessoa que pode ser rotulada como fundamentalista, mas possuo um site sobre música cristã e um blog sobre cinema cristão, eu vejo primeiramente sobre a questão de qualidade um paradoxo muito parecido com a o comum ou secular, existem músicas cristãs de qualidade como existem músicas sem qualidade, o que normalmente chega as massas são as sem qualidade, assim como é também com a música comum, enfim isto também tem haver com gênero, a respeito do cinema concordo que os filmes “gospel” são piores em qualidade, até pelo baixo orçamento, todavia está longe de se tornar mercado, as principais produtoras internacionais como a Word Wide Pictures e os filmes da Open Doors, são comercializados com o objetivo estritamente de financiar a obra missionária e evangelização. Creio que o Frank Scaeffer, exarcebou as suas críticas sobre muitos aspectos.

Frank Schaeffer dedica alguns capítulos para praticamente dizer que toda a criação artística e cultural provem de Deus, e que os evangélicos “medíocres” dividem o mundo em secular e Cristão, neste ponto de divisão ele não soube trazer nenhuma teologia sustentável para dizer que não existe uma divisão contra-cultural dos cristãos e nem conseguiu argumentar nada sobre o texto bíblico que diz que o “mundo jaz no maligno”, enfim é lógico que existe uma separação entre uma música com letras inspiradas em Deus, letras inspiradas na sociedade humana e letras totalmente anticristãs, como os versos do funk carioca, ou as poesias de adoração a Lúcifer das bandas de black metal americano, então sim há uma divisão cultural clara, em música, cinema, e em praticamente toda a arte pois ela influência. O autor esqueceu de mencionar a natureza corrompida pelo pecado do homem que causa uma reação na cultura humana e tem como conseqüência os rótulos.

Para terminar a resenha, expresso minha sincera opinião, achei a dissertação de Frank Schaeffer muito pessoal, sua crítica faz algum sentido, todavia não concordo com o seu pensamento, o conteúdo do livro acrescenta muito pouco, não tem muita base bíblica sólida, enfim ao discordar do escritor acabei não sentindo muito confortável com sua leitura.

Título: Viciados em Mediocridade
Autor: Frank Schaeffer
Editora: W4
Páginas: 138 páginas

2 comentários:

joe disse...

DISCORDO DA SUA OPINIÃO PORQUE AO FATO DE O MUNDO JAZER NO MALIGNO OU HAVER CLARA DISTINÇÃO ENTRE CULTURAS, A ARTE É UMA SÓ E OS CRISTÃOS NÃO TEM NOÇÃO DE COMO USÁ-LA. APRENDERAM A SER MEROS PAPAGAIOS E NADA CRIATIVOS. EIS O QUE ACONTECE: NÃO SABEMOS OCUPAR OS ESPAÇOS CULTURAIS PARA A DIFUSÃO DA SALVAÇÃO POR MEIO DAS ARTES.

Edson Gomes disse...

A realidade é que Frank Schaeffer citou um mundo an-cristão dominado por uma raça que se denomina cristão e que se diz levar as verdades em uma cultura mediocre dominada por baixas qualidade de musicas cinemas etc...figindo que Deus só é dono dessas podridão que tem sugido nos ultimos tempos e que ele chama de penúria reinante,isso mesmo Frank Schaeffer ,gostei do seu pensamento independente de um mundo caido e cheio do pecado,temos sim,que se livra dessas podridão de pensamentos mediocre